Sunday, May 28, 2017

VOCÊ É VIRTUAL REALIDADE

O mundo virtual parece ser um lugar onde dominamos a hora de existir ou desaparecer como mágica, tornando-nos invisíveis!
Onde todos podem optar entre conversar ou simplesmente observar o "movimento". O que fornece uma sensação de poder sobre o meio. Mesmo que esse meio possa ser ilusório, onde um deserto é interpretado como um oasis de relações.
A partir do momento em que desconectamos, "desligamos" esse espaço por vontade própria. E retornamos a realidade imediata e fisica, onde as regras podem ser encaradas como uma escravidão ao sistema.
 São mundos diferentes, o virtual e o real!
Será?
Estamos realmente livres de grilhões e ameaças quando navegamos no ciberespaço?
Não há proteção no mundo virtual, todos sabemos disso. Nos sites, a relação esperada, de privacidade, não existe, mesmo que o quadro de amigos contenha apenas familiares.
O espaço, na verdade é público e mesmo que haja garantia de privacidade, a realidade indica que os dados estão ao alcance de administradores e de hackers.
Permanecem "boiando" (ou seria flutuando?) em um mundo ainda pouco desvendado.
Sites de relacionamento parecem  ser uma sala isolada e privada. Torna-se mais difícil imaginar o espaço virtual, protegido por senhas, como ambiente público.
Mesmo fora dos sites de relacionamento, esse mundo virtual guarda dados pessoais de maneira indireta. Com a informatização de dados, os cadastros que são vendidos, trocados ou obtidos até em promoções e descontos ou nas lojas e bancos, não ha mais garantia alguma de privacidade.
Essa realidade desagrada.
Nos sites, as pessoas sentem necessidade de partilhar sua vida, suas alegrias, seus momentos de sucesso, a relação amorosa ou familiar, da mesma forma que os momentos de tristeza ou depressão.
Isso é natural porque o ser humano é um animal social, preparado para conviver em grupo até mesmo para garantir a sobrevivência individual, que se torna mais garantida na sobrevivência mútua.
A relação virtual aproxima tanto as pessoas conhecidas - familiares e amigos - como reduz ou elimina o distanciamento entre pessoas desconhecidas que iniciam uma amizade através de interesses comuns. Sem essa "mágica" virtual que elimina distâncias e derruba as paredes, a possibilidade de ampliar o conhecimento fica realmente muito reduzida.
Reduzida demais para quem se habitua a navegar em um espaço que seduz justamente pelo fato de funcionar sem a carga da materialidade.
Um espaço realmente sedutor, constantemente ampliado por novos recursos. Com um dispositivo mais leve e fino do que um livro, pode-se acessar e ler infindáveis obras literárias, escrever, desenhar, criar projetos, trabalhar, ouvir música, conversar, fazer compras, enfim...a ponto do sujeito que navega em um espaço tão diversificado e aparentemente infinito em suas possibilidades perguntar-se se não está havendo alguma inversão e aquilo que consideramos o mundo real não é na realidade uma espécie de limbo!
Como lidar com esse novo mundo e suas possibilidades e riscos entretanto, não é assim tão fácil. Por trás da mágica dos recursos e da sofisticação tecnológica, existe a mesma matéria básica dos tempos das trevas ou dos conflitos da civilização: o conteúdo humano, dividido entre a construção e a destruição, a verdade e a mentira, a necessidade de relacionar-se e ampliar os horizontes e a capacidade de distorcer e manipular o meio.
A grande verdade é que explorar o ciberespaço tem menor risco do que o mundo real no que se refere à preservação física (pelo menos imediata) mas não existe nenhuma garantia de segurança em qualquer outro sentido!
Mundo material, mundo virtual, mundo emocional, mundo espiritual...parece que a relação humana com espaços que pareciam fictícios e isolados finalmente se fundem em um mundo inteiramente novo, diferente, mas não mais improvável!  ( Mirna Monteiro)

Saturday, May 13, 2017

AS MÃES E FILHOS DESCARTÁVEIS

O conto de Scott Fitzgerald, "O curioso caso de Benjamin Button", pretendeu subverter a ordem da natureza e trazer à vida um bebê idoso, que ao longo do tempo foi rejuvenescendo.
Mas essa inversão mostra uma realidade indiscutível: Benjamim necessitou de duas mães, porque o fato de ser um bebê idoso não excluiu a fragilidade do nascimento, e tampouco pôde evitar a fragilidade de sua morte, quando rejuvenesceu até transformar-se novamente em um bebê.
O que está por trás dessa aventura que tornou o amadurecimento da personagem extremamente sedutor, com a juventude crescente do corpo simultaneamente ao aprimoramento intelectual e emocional da experiência, mostra que a fragilidade humana está nos dois extremos da vida, e que a proteção maternal é fundamental quando nascemos e quando envelhecemos.
Isso nos traz um grande problema!
Ao pensar em "mãe", mesmo que seja uma vez por ano, em data de grande apelo comercial, pensamos na mulher como geradora e cuidadora da vida. Graças a ela, a mulher, a sociedade humana sobreviveu a partir do nascimento. O ser humano é dos poucos animais que dependem de absoluta proteção para sobreviver.
Ao contrário do conto Benjamin Button, as pessoas vão se fortalecendo e amadurecendo ao longo da vida, até iniciar o processo de envelhecimento, onde a experiência mental e emocional continua a evoluir, mas o corpo se desgasta.
Ao longo do tempo, a tão decantada condição de mãe, acaba afunilando na condição de avó, de bisavó e, quem sabe, tataravó.
A condição de mãe não acabou, continua.
Ou não?
Considerando que para fortalecer-se na experiência de vida, necessitamos do amadurecimento, mas em contrapartida enfrentamos o desgaste fisico ao longo do tempo, não apenas a mulher que é mãe, mas qualquer indivíduo, deveria ser valorizado pelo peso de seu conhecimento, seja na família, seja na sociedade.
Mas não é essa a realidade da nossa cultura.
A ênfase à juventude sustenta-se em razões politicas e não naturais.
Em um mundo onde o supérfluo predomina e o objetivo é produzir e descartar, a valorização da vida também se torna mais frágil.
Para manter o perfil de um sistema onde a sociedade é eternamente jovem e sem  amadurecimento intelectual, emocional e político, que apenas o tempo pode proporcionar .
Não é raro encontrar nos asilos as "mães esquecidas". mulheres que envelheceram e acabam ficando à margem não apenas da sociedade, mas de suas famílias,
Em uma sociedade onde os valores ficam soterrados sob as novas exigências do mercado, a relação familiar se deteriora. Muitos filhos apenas conseguem conviver com os pais em ocasiões de lazer. Uma viagem à Disney, por exemplo, passa a ter um significado maior do que a convivência baseada em valores emocionais.
O papel da mãe, portanto, passa a ter um valor com data marcada, como uma moeda que perde o poder de compra e não serve mais para as necessidades dos filhos.
Não é apenas no envelhecimento que as mães correm o risco de ser negligenciadas emocionalmente e esquecidas em asilos. A relação na família está rompendo-se prematuramente, a ponto de uma data comercial, como o Dia das Mães, tornar-se uma oportunidade de relação ou alguma troca sentimental, graças à ausência de relacionamento durante o resto do tempo.
Na moderna mentalidade pragmática, onde a produção se torna o principal objetivo de vida para atingir o capital que determina os graus materiais de sobrevivência, as mães têm prazo para descarte. Essa condição está modificando o conceito da mãe protetora, que se dedica ao seu bebê, mesmo quando o pai pode ajudar a exercer esse cuidado.
Quando a mulher recusa o principal papel da maternidade, que é alimentar com seu corpo a sua cria e com seu amor garantir a estabilidade emocional e o equilíbrio mental de seus filhos, demonstra apenas o grande medo da dependência emocional futura, porque sabe que poderá enfrentar o esquecimento ou tornar-se um estorvo familiar.
O que está errado nessa nova relação familiar?
Entre todos os desajustes que vêm afetando a antiga estrutura de relacionamento humano, o mais cruel não está sendo encarado com a seriedade merecida: a destruição do elo que nos torna humanos.
Esse elo é o começo e o fim de uma relação que aprimora a sociedade e permite uma sobrevivência humana e não a de ciborgs programados; o sentimento amoroso, que faz brilhar os olhos da mulher que abraça e protege a sua cria, e que no futuro abraçará e protegerá a fragilidade da velhice!
Sem esse sentimento que une as pessoas do nascimento à morte, seremos apenas peças de engrenagens e não seres com capacidade de entender a vida. (Mirna Monteiro)











Thursday, March 09, 2017

A FÉ, A DOUTRINA E O CÓDIGO

TENTANDO ENTENDER!


"(...) Queria entender essa história. É ficção ou realidade dizer que Jesus Cristo era homem e deixou descendentes, que era casado com Maria Madalena (...) E porque a Bíblia diz que ela era prostituta e Jesus era casto? (...)

O filme que foi exibido e o livro que populariza o chamado "Código da Vinci" são ficção. Mas não a temática que é abordada! Apesar desse assunto ser duramente pesquisado e as informações bíblicas confrontadas com registros históricos, discutir se Jesus Cristo foi um homem de carne e osso, em condições de gerar descendentes, entra em conflito com a imagem estritamente espiritual criada e alimentada pela Igreja Católica desde o crescimento do cristianismo.

Por isso você e muita gente não está entendendo. Essa confusão é natural! Qual a fonte de nossa informação? A Bíblia. Mas até que ponto a Bíblia pode ter sido manipulada ou sua interpretação distorcida ao longo de séculos e séculos de política?

Não sabemos, se não pesquisarmos ao máximo os indícios. E há muitos, seja em textos apócrifos, que são chamados assim por reunir escritos antigos que não são reconhecidos pela Igreja, seja nos considerados textos sagrados.

Há relatos sobre Jesus e as pessoas que viveram na época, que comprovam que não há nada de ficção na existência de Jesus Cristo, de sua vida singular e dos seus ensinamentos, que ao invés de ficarem perdidos na história, crescem no tempo.

O que não se sabe com certeza é até que ponto cada relato é completo e fiel. Assim como no caso de Maria Madalena, que não seria prostituta, como diz a Biblia, mas a companheira de Jesus. E, inclusive, uma mulher ativa, com compreensão do divino, como muitas outras mulheres da época que são resumidas, no Catolicismo da Idade Média, a pequenos papéis na história. O que parece realmente estranho.

Então vamos ver se é possível resumir aquilo que teólogos e pesquisadores passam a vida discutindo:

Primeiro: Seja nos textos sagrados, seja nos apócrifos (relatos e testemunhos em geral, encontrados por arqueólogos) a existência de Jesus é fartamente comprovada. Veja este por exemplo:

"Foi naquele tempo (por ocasião da sublevação contra Pilatos que queria servir-se do tesouro do Templo para aduzir a Jerusalém a água de um manancial longínquo), que apareceu Jesus, homem sábio, se é que, falando dele, podemos usar este termo -- homem. Pois ele fez coisas maravilhosas, e, para os que aceitam a verdade com prazer, foi um mestre. Atraiu a si muitos judeus, e também muitos gregos. Foi ele o Messias esperado; e quando Pilatos, por denúncia dos notáveis de nossa nação, o condenou a ser crucificado, os que antes o haviam amado durante a vida persistiram nesse amor, pois Ele lhes apareceu vivo de novo no terceiro dia, tal como haviam predito os divinos profetas, que tinham predito também outras coisas maravilhosas a respeito dele; e a espécie de gente que tira dele o nome de cristãos subsiste ainda em nossos dias". (Flávio Josefo, História dos Hebreus, Antiguidades Judaicas, XVIII, III, 3 , ed. cit. p. 254). (1, pg. 311 e 3).

Segundo: Aparentemente, a idéia de tornar Jesus Cristo único e sem descendentes fazia parte da mentalidade da época, onde as histórias corriam "de boca em boca", mas havia escassez de detalhes. O acesso entre as pessoas era dificultado e a esmagadora maioria não era alfabetizada ou tampouco tinha acesso à textos.
Aproveitar a imagem divina de Cristo e desvinculá-la dos mortais comuns, fazendo-se de única intermediadora entre as pessoas e Deus, certamente tornava a Igreja extremamente poderosa. E poder político sempre foi a preocupação.

Terceiro: Poder é poder! Tornar Cristo inatingível, a não ser através da Igreja, não surtiria efeito sem que outro poder, o feminino, fosse obscurecido. As mulheres portanto tinham de ser banidas da participação, resumidas à fecundação, não como a metade da laranja, mas como meras incubadoras. Ora, se Jesus Cristo tinha se unido à Maria Madalena e nela gerado suas sementes, isso seria complicado. Mais fácil transformá-la em prostituta, o outro extremo da santidade.
Quadro de Leonardo da Vinci, representando a ultima ceia, mostra
a imagem de uma mulher, entre os apóstolos, segundo garantem os
estudiosos. Essa figura, exposta de maneira sutil, seria a representação
de Maria Madalena, na visão de Da Vinci. (obra de 1495 a 1498)



É uma possibilidade no estudo da Teologia, que significa estudo de Deus (do grego θεóς, theos, "Deus"; + λóγος, logos, "estudo") quando a história de Jesus Cristo, Maria Madalena e todas as circunstância da época são analisadas.

O que não interfere, em absoluto, na importância de Jesus Cristo, na fé em Deus, embora transforme de maneira extrema o papel na mulher na história. Como a alusão ao símbolo do Santo Graal, que seria o útero feminino. O útero de Maria Madalena, que tornou possível a perpetuação do corpo de Cristo no mundo material.

Esse seria o segredo perpetuado ao longo de gerações de "guardiões", e repassado de maneira indecifrável aos leigos em objetos, como por exemplo o quadro de Leonardo Da Vinci, a Santa Ceia, onde uma das figuras à mesa com Jesus Cristo não seria masculina e sim feminina. No caso, Maria Madalena. Foi nessa teoria, bastante discutida, que a ficção foi baseada.



O QUE SIGNIFICA "OPUS DEI"?


Outra pergunta constante, que as pessoas, principalmente adolescentes fazem, quando acompanham a ficção que aborda o Código da Vinci, é essa. Em Latim, Opus Dei significa obra de Deus.

Mas em 1928 foi criada uma organização eclesiástica, uma Prelatura da Igreja Católica, que foi nominada "Opus Dei".



EVANGELHO DE MARIA MADALENA

(...) "é verdade ou mentira o evangelho de Maria Madalena? (...) Todo mundo escrevia evangelhos naquela época? (...)


Em 1945 foram encontrados registros em língua copta (foi a língua da última fase do Egito antigo) que foram traduzidos e considerados Evangelhos de Tomé e de Maria Madalena.
De Maria Madalena, infelizmente, o texto está fragmentado.

A presença de tantos textos fragmentados pode ser atribuída, além de outros fatores, aos decretos e recomendações papais solicitando o não uso desses textos pelos cristãos.

Tem uma informação interessante: nos evangelhos apócrifos ( que não são reconhecidos pela Igreja) as mulheres aparecem de maneira diferente dos canônicos (da Igreja). Elas discutiam de igual para igual com os apóstolos, tinham liderança e também realizavam batismos.

Agora, qual o problema dos evangelhos? Lembre-se que falamos de uma época onde os registros dos acontecimentos eram feitos dessa forma. Os apóstolos nada mais foram do que escritores, repórteres e jornalistas dessa época, pois escreviam aquilo que testemunhavam ou que ouviam alguém relatar.

Parece absolutamente humano que muitos desses relatos não interessassem ao poder político na época e que, portanto, fossem excluídos ou mesmo adulterados! A manipulação da verdade é uma constante na sociedade humana e integra a eterna luta entre o bem e o mal. (Mirna Monteiro)

Wednesday, March 08, 2017

MULHER


Impossível generalizar a mulher!
É um ser multifacetado. 

Cantada em versos e pintada entre flores...e também interpretada como indecifrável e perigosa pelos homens, ao longo da historia.

As mulheres parecem feitas na mesma fôrma, como um bolo ou biscoito?  Essa é a ideia que o sistema sempre tentou fazer prevalecer: a de que o ser feminino não possui individualidade e que sua personalidade resume-se a parir e servir.

 Um resumo que historicamente tem  servido para a escravidão da mulher, misturando sua imagem a da doce mãe altruísta, que pode se transformar em uma bruxa malvada, com poder para alimentar o mal, a hipocrisia e a crueldade.

 A mulher é astuta e perigosa porque é oprimida?

Mulheres, assim como homens, não são feitos na mesma fôrma, nem tampouco se encaixam em padrões, por mais que cada cultura limite ou dimensione suas qualidades ou defeitos. 

A mulher pode ser um ser de luz ou de sombras.

Como negar a existência daquelas que manipulam e cometem crimes contra a vida e a natureza, sem interesse em usar o seu poder de melhorar o mundo, permitindo ao o próprio ventre gerar escravos ou déspotas?
Não podemos generalizar pessoas, mulheres ou homens, mesmo sob a forte pressão cultural que deforma comportamentos e pensamentos.




O ser feminino em geral é sensivel e altruista, cuida de sua cria e de sua familia, tem capacidade para cumprir várias tarefas ao mesmo tempo. 
Essa é uma característica da mulher.


A natureza é sábia, a maioria das mulheres possui qualidades que determinam os rumos da sociedade humana. Enfrentou ao longo da história perseguições, violência, dominação e escravidão.

Mas também esteve por trás de todas as batalhas pela liberdade e por um mundo mais justo.

Enfrenta ainda com coragem o esteriótipo que tenta aprisionar sua personalidade: mulheres devem ser jovens, belas e sensuais., caso contrário deixam de manifestar-se como essência do ser feminino.
Tamanha pressão encontra em oposto a mulher que se torna cada vez mais forte e consciente em sua maturidade e velhice.
Com isso a mulher não apenas valoriza a sua independência das amarras culturais, mas principalmente reforça a valorização da vida, de todos os seres, homens, mulheres, crianças, animais e o resto do planeta. (Mirna Monteiro)


       


Friday, February 24, 2017

VIVENDO COM O INIMIGO

Parece muito dramático: você está andando na rua, olhos atentos a qualquer pessoa que passa próxima à você; qualquer um pode ser um agressor, não pode? São pessoas desconhecidas! Mas e quanto à ameaça de pessoas, empresas, instituições e ambientes em que você confia?

Este parece ser o novo desafio da sociedade deste século XXI: distinguir entre estranhos e conhecidos, quem pode ser uma ameaça à integridade física ou material.
O inimigo não é mais o tigre que rosna em torno da caça, mas um lobo que veste as mais variadas peles, do empregado doméstico aos seguranças contratados para defesa, ou até mesmo pessoas da própria família!
Imagine esta cena que se torna comum: para você entrar em uma agência bancária com a finalidade de acessar sua própria conta ou fazer seus pagamentos, você geralmente é barrado na porta giratória e obrigado a esvaziar bolsos e bolsas.
No entanto, a mesma porta que barra suas chaves, seu celular ou até suas obturações dentárias (exagêro...) não consegue impedir que bandidos armados surjam como por encanto e assaltem a agência onde você foi pagar a conta de luz.

O problema é que esses assaltantes lucram mais esvaziando os bolsos dos clientes do que esvaziando os caixas do próprio banco, que afinal tem seguro!
E o cidadão é duplamente punido, por ser constrangido no momento de entrar na agência bancária e ser assaltado antes de sair dela!...Aliás aumentaram os casos de bandidos que agem na saída dos bancos, cada vez mais organizados para os assaltos ao cidadão.

Shoppings Centers eram considerados locais seguros. Seguro para o seu veículo no estacionamento, seguro para você fazer compras sem se preocupar com a bolsa...era assim. Agora os shoppings são palco de tiroteios de quadrilhas mais sofisticadas que visam joalherias.
Parece ser uma questão de oportunismo: as joalherias de shoppings são presas fáceis pela própria idéia de que o lugar é mais seguro. Certamente a partir do momento em que estratégias forem adaptadas para dificultar os assaltos surpresa, os assaltantes vão ter de mudar de tática e surpreender outros locais.
É claro que esse fato serve apenas para tornar o cidadão mais inseguro ainda, pois não se sabe de onde virá o próximo golpe.

Você tem coragem de deixar as crianças sozinhas com a babá? Cresce o número de pessoas que são obrigadas a espionar as babás que cuidam de seus filhos. Muitas pessoas abriram mão da privacidade em nome da segurança e mantém a casa equipada com câmeras em todos os cômodos.
E sua empregada doméstica? Conhece todos os hábitos da família e tem acesso à todas as fechaduras da residência? E o guarda-noturno? Os chamados "seguranças coletivos" que passam  de casa em casa cobrando taxas para apitar até você dormir também representam um risco, pois ficam conhecendo todos os detalhes do bairro e sabem quando uma residência está vazia. Pode haver entre eles um "olheiro".

E o segurança do condomínio ou do prédio?...Ou mesmo amigos e familiares, em casos onde cresce a ocorrência de abusos sexuais em crianças, estupros e mesmos seqüestros? Ou mesmo o marido, que cada vez mais aumenta a estatística de espancamento e assassinato das mulheres. O inimigo íntimo começa a colocar as garras de fora e age cada vez mais, contando com a impunidade.
A desconfiança de tudo e de todos parece ser a nova necessidade moderna. Um retrocesso: exatamente como nos tempos das cavernas!
Parece muito dramático: você está andando na rua, olhos atentos a qualquer pessoa que passa próxima à você; qualquer um pode ser um agressor, não pode? São pessoas desconhecidas! Mas e quanto à ameça de pessoas, empresas, instituições e ambientes em que você confia?

Este parece ser o novo desafio da sociedade deste século: distinguir entre estranhos e conhecidos quem pode ser uma ameaça à integridade física ou material. O inimigo não é mais o tigre que rosna em torno da caça, mas um lobo que veste as mais variadas peles, do empregado doméstico aos seguranças contratados para defesa, ou até mesmo pessoas da própria família!
Imagine esta cena que se torna comum: para você entrar em uma agência bancária com a finalidade de acessar sua própria conta ou fazer seus pagamentos, você geralmente é barrado na porta giratória e obrigado a esvaziar bolsos e bolsas.
No entanto, a mesma porta que barra suas chaves, seu celular ou até suas obturações dentárias (exagêro...) não consegue impedir que bandidos armados surjam como por encanto e assaltem a agência onde você foi pagar a conta de luz.

O problema é que esses assaltantes lucram mais esvaziando os bolsos dos clientes do que esvaziando os caixas do próprio banco, que afinal tem seguro!
E o cidadão é duplamente punido, por ser constrangido no momento de entrar na agência bancária e ser assaltado antes de sair dela!...Aliás aumentaram os casos de bandidos que agem na saída dos bancos, cada vez mais organizados para os assaltos ao cidadão.

Shoppings centers eram considerados locais seguros. Seguro para o seu veículo no estacionamento, seguro para você fazer compras sem se preocupar com a bolsa...era assim. Agora os shoppings são palco de tiroteios de quadrilhas mais sofisticadas que visam joalherias.
Parece ser uma questão de oportunismo: as joalherias de shoppings são presas fáceis pela própria idéia lugar é mais seguro. Certamente a partir do momento em que estratégias forem adaptadas para dificultar os assaltos surpresa, os assaltantes vão ter de mudar de tática e surpreender outros locais. É claro que esse fato serve apenas para tornar o cidadão mais inseguro ainda, pois não se sabe de onde virá o próximo golpe.

Você tem coragem de deixar as crianças sozinhas com a babá? Cresce o número de pessoas que são obrigadas a espionar as babás que cuidam de seus filhos. Muitas pessoas abriram mão da privacidade em nome da segurança e mantém a casa equipada com câmeras em todos os cômodos.
E sua empregada doméstica? Conhece todos os hábitos da família e tem acesso à todas as fechaduras da residência? E o guarda-noturno? Os chamados "seguranças coletivos" que passam  de casa em casa cobrando taxas para apitar até você dormir também representam um risco, pois ficam conhecendo todos os detalhes do bairro e sabem quando uma residência está vazia. Pode haver entre eles um "olheiro".

E o segurança do condomínio ou do prédio?...Ou mesmo amigos e familiares, em casos onde cresce a ocorrência de abusos sexuais em crianças, estupros e mesmos seqüestros? Ou mesmo o marido, que cada vez mais aumenta a estatística de espancamento e assassinato das mulheres. O inimigo íntimo começa a colocar as garras de fora e age cada vez mais, contando com a impunidade.
A desconfiança de tudo e de todos parece ser a nova necessidade moderna. Um retrocesso: exatamente como nos tempos das cavernas!



É interessante lembrar o "daimonion" de Sócrates. Dizia ele que "em mim se verifica algo de divino ou demoníaco (...) uma voz que se faz ouvir dentro de mim desde que eu era menino e que, quando se faz ouvir, sempre me detém de fazer aquilo que é perigoso e que estou a ponto de fazer, mas que nunca me exortou a fazer nada".
Passamos por uma fase onde a voz da razão e do limite anda rouca demais, deixando poderosa a voz demoníaca. Cada vez mais, na desordem social e na pressão do consumo o mundo perde a coerência para a convivência pacífica e não consegue inserir-se na lógica da cidadania.
Devemos reaprender a "ouvir" nossa intuição e estabelecer contato com a vida através do respeito à natureza e à consciência de que aquilo que movimenta o mundio parte não de algum espaço alienígena, mas de nós mesmos.
Demócrito escreveu que a bondade não é uma questão de ação; depende do desejo interior do homem. O homem bom não é o que pratica o bem, mas o que deseja praticá-lo sempre.

Se o interior humano anda tão precário, devemos antes de mais nada analisar nossos pensamentos e ações, pois somos a gota que faz transbordar o copo! Principalmente se concordarmos com Espinosa, que achava que o esforço de se preservar é um bem e o que trava esse esforço é um mal. Ou seja, a presença do mal é simplesmente a falta de esforço em se promover o bem!
É preciso se esforçar e suar a camisa para manter o equilíbrio na convivência.
Estamos todos, talvez, demasiados omissos e preguiçosos, afundando em uma vida ficcional e superficial dos prazeres do consumo e da hipnose da mídia. O preço está sendo alto: cada vez mais o espaço individual está sendo reduzido, enquanto a ameaça à sobrevivência aumenta!
Se o antigo Protágoras estava certo, estamos todos ferrados: "o homem é a medida de todas as coisas... Cada um tem o direito de determinar, por si, o que é o bem e o que é o mal...". Neste nosso espaço cada vez mais aviltado e confuso, isso seria realmente a verdadeira anarquia do final da raça humana, pelo  nos moldes que criamos para nosso atual sistema de vida. (MM)




Wednesday, December 07, 2016

MANIPULADOS

Recentemente participei de uma discussão onde a temática girava em torno das artimanhas políticas. Havia evidente indignação nas criticas e opiniões a respeito da classe politica brasileira, com adjetivos nada agradáveis.
De repente uma pergunta primária trouxe um silêncio inesperado: "Como é que nós permitimos isso, gente? Como é que o povo cai nessa situação?"
Pode completar essa cena com a expressão de grande constrangimento  geral!
Bem...
Vivemos uma fase de conflitos, onde todos os acontecimentos pressionam para grandes mudanças. Até o momento a sociedade humana mudou muito pouco em sua essência.
Kant acreditava que a dignidade é qualidade inerente ao homem. E que essa dignidade seria determinante do valor moral, de forma que o respeito ao semelhante deveria gerar uma relação emoldurada pela dignidade.
Podemos divagar sobre esse pensamento e arriscar até que ponto as sociedades humanas assimilam em sua cultura a afirmação de que seres humanos seriam mais evoluídos a partir de sua capacidade de valorizar a própria dignidade. Porque ao longo da história humana a dignidade e a honra ocuparam espaços de importância vital, mas sempre foram soterrados pelas ações obscuras e secretas, que ocorriam nos bastidores da filosofia e do imaginário popular.
Intrigas, planos secretos, mentiras e o uso da boa fé do cidadão integram o caldeirão dos grupos que se unem no interesse de dominar a sociedade.
Os soberanos nunca dormiram em paz, conforme podemos observar nos registros históricos. Bons governantes ou déspotas corriam sempre o risco que se escondia nas sombras. As guerras eram travadas com outros soberanos, mas os bastidores do  próprio reino sempre foram fonte de conspirações.
Fora desse cenário, convinha manter os cidadãos longe da verdade.
Ao longo da história humana, isso nunca mudou. Os cenários se modificaram, a tecnologia transformou o mundo, mas sempre a serviço de um mesmo senhor: o poder e a manipulação da massa.
Do ponto de vista político, existe realmente diferença entre um camponês do século XVIII e o cidadão dos nossos dias?
Nenhuma, considerando a capacidade de um ou outro de entender o que acontece o seu redor e quais seriam as razões de seu calvário ou de sua rotina menos dolorosa.
Seja em tempos primitivos, seja neste início do Terceiro Milênio, a maneira como o poder domina a sociedade de várias culturas diferentes, ainda é a mesma. Essencialmente, o ser humano é o mesmo, confuso em sua interpretação do que seria ético e preservaria a sua dignidade.
Aí chegamos no começo desta conversa e à observação indignada: "como é que nós permitimos isso, gente?"
Podemos dizer que essa também não é uma pergunta inusitada e foi justamente essa indignação popular que registrou historicamente levantes e revoluções.
Mas por maior que seja a tendência em minimizar as mudanças no estabelecimento da dignidade humana, somos obrigados a admitir que pela primeira vez na história da humanidade- pelo menos na história conhecida da humanidade - há algo diferente, que se coloca frente aos acontecimentos gerados pelos grupos de poder e domínio político. Trata-se de um processo inverso ao domínio da comunicação da massa, cuja cartilha começa a mostrar rupturas e amassados.
Esse processo parece ser inevitável e é fortalecido por novos meios de comunicação e da abertura da consciência do indivíduo diante da dignidade citada por Kant, onde fica latente a necessidade de obediência a leis que partam do próprio cidadão que anseia pela ética.
Leis criadas pelo poder político não estão mais sendo reconhecidas como leis válidas, porque estão entrando em conflito com a necessária preservação da dignidade humana!
O atual Congresso, com parlamentares imbuídos de um poder não reconhecido pelo cidadão, que tentam manipular não apenas decisões democráticas, mas o último reduto da dignidade do cidadão, que é a Justiça ética, limpa e imparcial, está remexendo com as entranhas da sociedade, que pela primeira vez, ainda sem racionalizar o sentimento, está estabelecendo o espírito crítico não apenas individual, mas também coletivo.
Manipulados que começam a conscientizar que são submetidos a essa manipulação, ou a uma falsificação de sua dignidade, deixam de ser influenciados pelos opressores. Estejam eles vestidos de revoltados sem consciência da dignidade, de grande mídia,  de parlamentares, de governantes ou de um tipo de Sistema Judiciário que se esconde sob mera linguística, com citações e repetições desnecessárias para justificar atos políticos que a ética popular não reconhece. (Mirna Monteiro)

Friday, August 12, 2016

O BOM SENSO E O DIABO

O senso de justiça está cada vez mais espremido pela lógica de sobrevivência instintiva e individualista. O que seria isso? Cada um arrisca a sua interpretação do que seria justo, mas infelizmente com base em conceitos e deduções impostas pela ficção que pretende distrair, mas que acaba atuando subliminarmente na consciência dos desavisados.
Até que ponto a Justiça fica comprometida com as distorções do mundo moderno, onde as imagens e o apelo da mídia predominam sobre a razão imparcial, ainda não está bem definido. Mas parece que a interpretação de fatos mistura ficção e realidade. 
O interessante é que temos hoje os extremos bem delineados e visíveis a qualquer observador: quanto mais aumenta a informação e a consciência popular a respeito do que seria o senso de justiça, mais são "aprimoradas" as táticas da distorção da verdade e, portanto, dos objetivos da aplicação das leis.

LIMITES 
Nos julgamentos acompanhados pela grande mídia assistimos a um festival de estratégias que lembram um jogo, onde a verdade não é necessariamente um componente de destaque. Pelo contrário, como nossas leis preveem que o sujeito em julgamento não precisa fornecer provas contra si mesmo (óbvio) a interpretação vai solta e sem constrangimento algum na utilização de argumentos construídos ficcionalmente. Ou seja, a mentira corre solta nos tribunais, não como exceção discreta, mas como norma da defesa.
É uma situação absurda. Nesse caso provas coletadas cientificamente são contestadas pela defesa de um acusado, digamos de homicídio, não de maneira fundamentada, mas aleatória, conturbando o senso da realidade.


Objetivos da Justiça

Pois é. Parece ficção. 
No filme "O advogado do diabo", baseado em um romance do australiano Morris West, o advogado idealista na luta pela justiça acaba corrompido, seduzido por dinheiro e posição social. 
Acaba arrependido, após descobrir que a sua ganância trouxe a desgraça para muita gente, inclusive para ele próprio. A história mostra um desfecho que alivia a tensão de quem está torcendo contra o diabo. Afinal, pretende-se que a arte imite a vida. Ninguém quer que vilões terminem sempre ganhando.
A realidade pode ser bem mais complicada do que as páginas de um livro. Para quem acha que o circo armado para confundir julgamentos é consequência natural e pode ser controlado pela lógica de quem julga, inclusive em júris populares, é bom lembrar que o abuso é tamanho que o senso de justiça fica realmente comprometido e o resultado justo submetido a uma espécie de roleta russa. 
Pode ou não atingir o objetivo.
Essa liberdade em mentir ou esse "vale-tudo" nos nossos tribunais repercute naturalmente na ordem social. Não há punição para advogados que jogam com fantasias e distorções, na mentalidade que levou ao esteriótipo do "advogado do diabo", que define defesas sem escrúpulos no âmbito do sistema judiciário.
O fato reduz a credibilidade na justiça.
John Rawls filosofou a respeito, comentando que as leis são diretrizes direcionadas à pessoas racionais que tem o objetivo de viver em um sistema de cooperação social. Mas nem sempre as leis ou o cumprimento delas são expressões institucionalizadas da justiça.
O problema, lembra, é o fato de que a injustiça pode comprometer o sistema de cooperação social. 
Ou seja, quando toda a estrutura existente, criada para fortalecer esse meio, é neutralizada por fatores que não tem o objetivo comum, ocorre uma crescente desorganização social.
Se é permitido todo e qualquer argumento, mesmo que seja evidentemente falso ou com intenção de deturpar a verdade e prejudicar o objetivo da justiça, sem clara punição a quem se utiliza maliciosamente desse recurso, não há como exigir fora dos tribunais o senso da justiça e portanto a obediência civil ou cooperação da massa.
Não falamos aqui apenas dos grandes assassinatos, que acabam integrando o folclore popular, mas da justiça em todas as suas instâncias, mesmo em decisões de pequenas causas ou em questões cíveis, que podem não ser dimensionadas pela mídia, mas que são como a água sobre a pedra, provocando ao longo do tempo o descrédito no sistema judiciário. (Mirna Monteiro)