Tuesday, February 22, 2011

QUANDO A VIDA NÃO VALE A PENA



A cena de um sujeito balançando o corpo sem vida, com a corda no pescoço, em um viaduto de 
São Paulo, é impressionante. De um lado e de outro, em meio ao grande movimento de veículos e pedestres, as pessoas param por alguns minutos para repetir a mesma pergunta: o que leva uma pessoa a acabar com a própria vida?

Por toda história da sociedade humana, o suicídio foi uma constante. Aliás, pessoas famosas e aparentemente bem sucedidas recorreram a esse ato extremo. De personagens da mitologia a artistas, filósofos, escritores, poetas, dramaturgos, atores, cineastas, físicos, químicos, matemáticos, médicos, religiosos, políticos, reis, imperadores, militares, desportistas, agitadores, assassinos e mais seis Prêmios Nobel e vários vencedores de Prêmios Pulitzer. Pessoas bem sucedidas e sem problemas financeiros e aparentemente bem inseridas social e culturalmente.

A ocorrência de suicídios tem aumentado. Mais de 1 milhão de pessoas tiram a própria vida por ano. Poderíamos dizer que isso acontece proporcionalmente ao aumento da população mundial, mas ainda assim o ato em si é motivo de estudos e discussões polêmicas, em uma época de grande informação e recursos.

Coréia do Sul: onda de suicídios em 2010 leva a morte cerca de 40 pessoas por dia. Aparentemente suicidar-se virou solução para muitos problemas, como a crise financeira asiática, que desde 97 aumentou a instabilidade do emprego.

Há tempos o suicídio vem aumentando. Em dados de 2001, suicídios superaram a cifra de mortes por homicídio (500 mil) e mortes pelas guerras (230 mil) no mundo. Claro que agora, e desde 2002, os números estão mudando: as mortes por guerra, urbana (violência) e os confrontos internacionais superaram em muito essas estatísticas. Mas ainda assim não reduzem o impacto do atentado contra a própria vida. Morrer em uma guerra é fatalidade, mas acabar com a própria existência contraria o instinto básico, que é o da sobrevivência. Talvez a artificialidade da vida e a necessidade de trabalhos robotizados em longas jornadas exasperem a alma humana e tornem a visão da vida suficientemente frágil a ponto de torna-la dispensável. 
É este o caso das mortes na China. Em uma fábrica de iPhone aconteceram no ano passado suicídios consecutivos. Empregados atiraram-se dos andares mais altos. De dez suicidas apenas dois foram salvos. A empresa contratou psicólogos e monges budistas foram chamados para afastar "maus espíritos";

E a pergunta é sempre  repetida: o que leva uma pessoa a acabar com a própria vida? Cada qual tem um motivo superficial, mas a depressão parece estar presente em todos os casos de pessoas que atentam contra a própria vida.
Basicamente o suicídio nada mais é do que a entrega total dos pontos: a pessoa se vê sem alternativas para continuar lutando pela vida. Não há vida sem esforço para transformação!
Para a maioria das pessoas, o suicídio é uma forma de desprezo à vida. E de agressão ao meio. Para outras é a constatação de absoluta falta de controle sobre a própria vida. Mas a insegurança e o medo podem ser também a causa. O que transforma o suicídio em um ato absolutamente motivado pelo medo, ou pela covardia de enfrentar o futuro. No entanto, esperar pode mudar completamente essa sensação. "Um dia depois do outro" ou "amanhã é um novo dia"  não são meros chavões, mas inidicam a dinâmica real da vida.  As coisas realmente mudam, porque a própria interpretação das coisas é mutável!

Em geral os jovens se impressionam com a ação. Costumam interpretar o suicídio como coragem, esquecendo-se, em sua visão romântica, que só poderia haver coragem quando há valorização da própria vida...que poderia, talvez, enfrentar a iminência da morte para salvar outras.
Mas uma vez que a pessoa se sente derrotada e perdida, o suicidio parece ser apenas uma maneira de tentar evitar o sofrimento e os desafios. Portanto estaria mais próximo da interpretação de uma fuga ou um ato de covardia (parte um)

(Continua)

4 comments:

  1. Quem não sofre de depressão hoje?Se for essa a causa pelo menos metade do mundo vai se matar

    ReplyDelete
  2. Anonymous12:36 PM

    é fuga e covardia porque quem fica é que sofre

    ReplyDelete
  3. Ken Polakosk12:43 PM

    Life has its depths but we can always return to the surface and see that life is worth living...

    ReplyDelete
  4. Só uem passa por isso sabe como é a solidão e a impressão de que nada vale não da vontade de nada,passei por isso duas vezes
    Zeus

    ReplyDelete

Comente os textos ou adicione suas impressões sobre os temas abordados. Clique duas vezes para garantir a postagem.